Volte ao SPIN

SPIN01 SPIN02 SPIN03 SPIN04 SPIN05 SPIN06 SPIN07
SPIN08 SPIN09 SPIN10 SPIN11 SPIN12 SPIN13 SPIN14
SPIN15 SPIN16 SPIN17 SPIN18 SPIN19 SPIN20 SPIN21
SPIN22 SPIN23 SPIN24 SPIN25 SPIN26 SPIN27 SPIN28
SPIN29 SPIN30 SPIN31 SPIN32 SPIN33 SPIN34 SPIN35
SPIN36 SPIN37 SPIN38 SPIN39 SPIN40 SPIN41 SPIN42
SPIN43 SPIN44 SPIN45 SPIN46 SPIN47 SPIN48 SPIN49
SPIN50 SPIN51 SPIN52 SPIN53 SPIN54 SPIN55 SPIN56
SPIN57 SPIN58 SPIN59 SPIN60 SPIN61 SPIN62 SPIN63

SPIN64 SPIN65 SPIN66 SPIN67 SPIN68 SPIN69 SPIN70
SPIN71 SPIN72 SPIN73 SPIN74

domingo, 20 de junho de 2010

Raio X da migração: os judeus

Acordei de madrugada, postei alguma coisa sobre o assunto imigrantes judeus no Brasil, em seguida adormeci e sonhei com bastantes coisas sobre o assunto,
Esqueci-me de todos os sonhos
Ah, no momento lembrei-me que no último sonho apareceu uma pessoa que foi meu professor de Arte Contemporânea, o Carlos Sena Passos
No sonho eu dizia a ele que tinha jogado fora meus escritos por falta de espaço e que ainda restava alguma coisa, no que ele sugeriu que eu trabalhasse com o que restou, quando falou-me uns nome estranho, não me lembro, mas o significado era emendar uma coisa com outra
Me lembro que nos dos vídeos sobre judeus no Brasil aparecia um pássaro
Agora tenho ir, vou deixar isso com lembrete, para pesquisar depois, quem anda de carona tem vontade própria, meu irmão está passando aqui agora para me levar para Anápolis, meus pais estão lá
Lembretes:
pesquisar com as palavras do sonho desta noite
pássaro judeu
http://imprimis.arteblog.com.br/22/

http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&source=hp&q=%22p%C3%A1ssaro+judeu%22&rlz=1R2SKPB_pt-BRBR379&aq=f&aqi=&aql=&oq=&gs_rfai=

Isso também

http://www.google.com.br/search?hl=pt-BR&source=hp&q=carlos+sena+judeus+&aq=f&aqi=&aql=&oq=&gs_rfai=&rlz=1R2SKPB_pt-BRBR379

Raízes Hebraicas - Nome de Algumas Famílias Brasileira - Descentes de Judeus
Postado por Licinio Silva Louzada

Ao longo de 1992 importantes trabalhos em torno da Inquisição e do marranismo foram publicados no Brasil. Um deles é Raízes Judaicas no Brasil, de Flávio Mendes Carvalho. Este livro apresenta os nomes dos marranos vitimados pela inquisição inquisitorial em Portugal ou no Brasil, e oferece os detalhes possíveis sobre o acusado, como profissão, filiação, acusação, idade, pena e ano da sentença.

De maior interesse para o presente estudo é listar os sobrenomes destes marranos acusados do crime de judaísmo entre os séculos XVI e XVIII:

Abreu, Abrunhosa, Affonseca, Affonso,Aguiar,Ayres,Alam,Alhertú, Albuquerque, AlÍaro, Almeida, Alonso, Alvade, Alvarado, Alvarenga, Alvares, Aivarez, Anelos, Alveres, Alves, Aivim, Alvorada, Alvres, Amado, Amaral, Andrada, Andrade, Anta, Antônio, Antunes, Arailjo, Arrahaça,Arroyo, Arroja, Aspalhão, Assumpção, Athayde, Avila, Avis,
Azeda, Azeitado, Azeredo, Azevedo.

Bacelar, Balão, Baihoa, Balíeyro, Balteiro, Bandes, Baptista, Barata, Barbalha, Barhosa, Barhoza, Bareda, Barrajas, Barreira, Barreta, Barreto, Barros, Bastos, Bautista, Beirão, Belinque, Belmonte, Bello, Bentes, Bernal, Bernardes, Bezerra, Bicudo, Bispo, Bivar, Bocarro, Boned, Bonsucosso, Borges, Borralho, Botelho, Bragança, Brandão, Bravo, Brites, Brito, Brum, Bueno, Bulhão.

Cahaço, Cahral, Cahreíra, Cáceres, Caetano, Calassa, Caldas, Caldeira, Caldeyrão, Callado, Camacho, Câmara, Camejo, Caminha, Campo, Campos, Candeas, Capote, Cárceres, Cardoso, Cardozo, Carlos, Carneiro, Carrança, Carnide, Carreira, Carrilho, Carrollo, Carvalho, Casado, Casqueiro, Cásseres, Castanheda, Castanho, Castelo, Castelo Branco, Castelhano, Castilho, Castro, Cazado, Cazales, Ceya, Cespedes, Chacla, Chacon, Chaves, Chito, Cid, Cobilhos, Coché, Coelho, Collaço, Contreíras, Cordeiro, Corgenaga, Coronel, Corrêa, Cortei., Comjo, Costa, Coutinho, Couto, Covilhã, Crasto, Cruz, Cunha.

Damas, Daniel, Datto, Delgado, Devei, Diamante, Dias, Diniz, Dionísio, Dique, Déria, Dona, Dourado, Drago, Duarte, Duraes.

Eliate, Escobar, Espadilha, Espinhoza, Espinoza, Esteves, Évora. Faísca, Falcào, Faria, Farinha, Faro, Farto, Fatexa, Febos, Feijão, Feijó, Fernandes, Ferrão, Ferraz, Ferreira, Ferro, Fialho, Fidalgo, Figueira, Figueiredo, Figueiró, Figuieiroa, Flores, Fogaça, Fonseca, Fontes, Forro, Fraga, Fragozo, França, Frances, Francisco, Franco, Freire, Freitas, Froes, Frois, Furtado.

Gabriel, Gago, Galante, Galego, Galeno, GalIo, Galvào, Gama, Gamboa, Gançoso, Ganso, Garcia, Gasto, Gavilão, Gi], Godirtho, Godins,Goes, Gomes, Gonçalves, Gouvea, Gracia, Gradis, Gramacho, Guadalupe, Guedes, Gueybara, Gueyros, Guerra, Guerreiro, Gusniao, Guterres.

Henriques, Homem.

Idanha, Lscol, Isidro.

Jordâo, Jorge, Jnbim, Julião.

Lafaia, Lago, Laguna, Lmy, Lara, Lassa, Leal, Leão, Ledcsma, Leitão, Leite, Lemos, Lima, Liz, Lobo, Lodesma, Lopes, Loução, Loureiro, Lourenço, Louzada , Louzano, Lucena, Luíz, Lima, Luzarte.

Macedo, Machado, Machuca, Madeira, Madureira, Magalhães, Maia, Maioral, Maj, Maldonado, Malheiro, Manem, Manganés, Manhanas, Manoel, Manzona, Marçal, Marques, Martins, Mascarenhas, Mattos, Matoso, Medalha, Meddros, Medina, Melão, MeIlo, Mendanha, Mondes, Mendonça, Menezes, Mesquita, Mezas, Miffio, Miles, Miranda, Moeda, Mogadouro, Mogo, Molina, Mot,forte, Monguinho, Moniz, Monsanto, Montearroyo, Monteiro, Montes, Montezinhos, Moraes, Morales, Morão, Morato, Moreas, Moreira, Moreno, Motta, Moura, Mouzinho, Munhoz.

Nabo, Na gera, Navarro, Negrão, Neves, Nicolao, Nobre, Nogueira, Noronha, Novaes, Mines.

Oliva, Olivares, Oliveira, Oróbio.

Pacham, Pachão, Paixão, Pacheco, Paes, Paiva, Palancho, Palhano. Pantoja, Pardo, Paredes, Parra, Páscoa, Passos, Paz, Pedrozo, Pegado,Peinado, Penalvo, Penha, Penso, Penteado, Peralta, Perdigão, Pereira,Peres, Pessoa, Pestana, Picanço, Pilar, Pimentel, Pina, Pineda, Pinhâo,Pinheiro, Pinto, Pires, Pisco, Pissarro, Piteyra, Pizarro, Pomheiro, Ponte, Porto, Pouzado, Prado, Preto, Proença.

Quadros, Quaresma, Queiroz, Quental.

Rabelo, Rabocha, Raphael, Ramalho, Ramires, Ramos, Rangel, Raposo, Rasquete, Rehello, Rego, Reis, Rezende, Ribeiro, Rios, Robles, Rocha, Rodrigues, Roldão, Romào, Romeiro, Rosário, Rosa, Rosas, Rosado, Ruivo, Ruiz.

Sá, Salvador,Samora, Sampaio, Samuda, Sanches, Sandoval, Santarém, Santiago, Santos, Saraiva, Sarilho, Saro, Sarzedas, Seixas, Sena, Semedo, Sequeira, Seralvo, Serpa , Serqueira, Serra, Serrano, Serrâo, Sorveira, Silva, Silveira, Simào, Simões, Siqueira, Soares, Sodenha, Sodré, Soeyro, Sola, Solis, Sondo, Soutto-Mayor, Souza.

Tagarro, Tareu, Tavares, Taveira, Teixeira, Telles, Thomás, Toloza, Torres, Torrones, Tola, Tourinho, Tovar, Trigillos, Trigueiros, Trindade.

Uchfla.

Valladolid, Valle, Valença, Valente, Vareja, Vargas, Vasconcellos, Vasques, Vaz Veiga, Velasco, Vellez, Velho, Vcloso, Vergueiro, Vianna, Vicente,Viegas,Vieira,Vigo, Vilhalva,Vilhegas, Vill,ena, Villa, Villalão, Villa-Lobos, Villanova, Villar, Villa-Real, VilIella, Vizeu. Xavier, Ximenes.

Zuriaga.

Segundo Flávio Mendes Carvalho, as recentes interpretações históricas e sociológicas sobre a Inquisição valorizam aspectos não religiosos e levantam novas questões. Por exemplo: até que ponto os condenados seriam meras vítimas de interesses econômicos, de lulas de classe e manobras políticas? E até que ponto a heresia judaica foi uma justificativa manipulada pela igreja para enfraquecer e avassalar Estados? E ainda, até que ponto estas perseguições satisfaziam às aspirações de uma decadente nobreza feudal na luta contra uma emergente e ativa burguesia, na disputa pelo poder econômico e político, se nos dois lados existiam judeus, se viviam em plena simbiose econômica e política e se as novas colônias abriam, a ambos, riquezas insondáveis? intérprete da inquisição enquanto instituição movida pelo fanatismo religioso católico, Carvalho argumenta: “Se não valorizarmos os aspectos essencialmente religiosos, como explicar que os milhares de judeus encarcerados, humilhados, condenados e executados, mesmo sendo paupérrimos - como os inventários de seus bens comprovam - e que ocupando posições sociais humildes e miseráveis - como constam das qualificações das listas dos autos-da-fé e de seus processos - podessem motivar a igreja a persegui-los?'

“Vínculos do Fogo”

Outro livro importante lançado em 1992 foi vínculos do Fogo (volume 1), do jornalista Alberto flínes, que aborda a vida e a morte do dramaturgo Antônio José da Silva e outras histórias da Inquisição em Portugal e no Brasil. A formação não acadêmica do autor determina seu estilo inovador na maneira de condu2ir a narrativa do protagonista da obra publicada com apoio da Fundação Safra.

OS JUDEUS FORAM NOSSOS AVÓS
Certamente, os judeus foram os avós de grande parte dos brasileiros, como também, os africanos e os índios e, ainda, portugueses e espanhóis,

Portugueses e Espanhóis chegaram ao Brasil logo depois da descoberta, já convertidos, mas, judaizantes.

Esse fato é comprovado nos documentos do Santo Ofício que esteve no Brasil. Foram muitos judeus convertidos que vieram, tantos que povoaram o país com seus descendentes.

Judaizavam sim, embora de um modo um tanto diferente, pois tinham de ocultar o fato e também não tinham rabinos e nem contato com judeus de outros lugares, existe uma diferença entre o Cristão Novo e o Marrano.

O Cristão Novo com o tempo esqueceu sua origem e já não lembrava a razão nem a origem de suas práticas que eram visivelmente judaicas.

Os Marranos guardaram em seus lares muito às escondidas a prática do judaísmo, foram uma minoria judaica plenamente consciente mesmo sendo oculta.

Nossa pesquisa não visa diretamente o assunto religião. Visa a genealogia do brasileiro de modo geral descendente de judeus, Cristãos Novos e Marranos, que ao correr do tempo além da conversão tomaram-se assimilados totalmente.

Acontecia que, desde o descobrimento até o final da Inquisição, os judeus não podiam e não eram identificados como judeus, eram Cristãos Novos.

Primeiramente os judeus foram expulsos da Espanha em 1492 (Pastor Poleto aí que entra os LOPES), e fugiram para Portugal. Logo, foram obrigados a conversão por ordem do Rei Dom Manoel, conversão para todos os judeus ao catolicismo.

No Brasil a povoação mais antiga de Cristãos Novos que se conhece pela história foi São Vicente. Estes judeus foram os primeiros componentes da população branca no Brasil.

Os primeiros navios que aqui chegavam traziam na grande maioria judeus e degredados.

Com o crescimento do cristianismo e junto com ele a idéia de que o povo judeu rejeitou e matou Jesus, começaram as perseguições na Península Ibérica provocando a dispersão dos judeus pelo mundo.

Chegaram os judeus a Espanha e Portugal entre os anos de 900 e 1200 da era atual. Iniciaram então a difusão de sua cultura.

Salomão Ibn Gabirol, Hasdai ibn Shaprut, Abraão bem Ezra, Maiamónides e muitos, outros foram os grandes sábios da época.

Naquele tempo, só os nobres sabiam ler e escrever o que também era praticado nos mosteiros. Ler e escrever eram coisa de uma pequena minoria em geral constituída por judeus.
Os judeus eruditos ocupavam cargos elevados e isso aborrecia os cristãos locais, que, os julgavam assassinos de Cristo. Os judeus estavam em evidência na medicina, economia finanças, literatura, astronomia, cartografia e outras ciências.

O Bispo de Lisboa, Dom Soeiro sentiu-se incomodado com o fato e enviou ao Papa denúncia do que ocorria era o Papa Gregório IX no ano de 1227 a 1241.

Dizia o documento do Bispo: “...Na diocese de Lisboa as funções públicas são dadas de preferência aos judeus, com opróbrio dos cristãos e com escândalo de muita gente”.

O caso do judeu tomar-se mais culto ou mesmo desenvolver melhor sua inteligência pode até ser atribuído à discriminação. Os judeus perseguidos, discriminados assassinados durante milênio, viram-se obrigados a uma espécie de seleção cultural e a um continuo trabalho de habilidade mental para sobreviver.

A diferença de caráter religioso os colocava em situação difícil onde quer que estivessem.

Eram obrigados a fingir para não serem discriminados, e de certa forma tormaram-se um povo separado.

O judeu convertido à força em Portugal foi chamado Cristão Novo, pois o Cristão que não tinha raízes judaicas era “o velho”. Essa divisão não serviu para muita coisa visto que, o convertido continuava judeu para os Cristãos Velhos e traidor para o seu povo.

A expulsão dos judeus da Espanha começou em 1391.

A cronologia histórica mostra os fatos e datas.

1478 - A Rainha Isabel pede ao Papa a instalação da Inquisição o pedido foi atendido.

1481- Instala-se o Santo Ofício em Sevilha. Para Começar as primeiras vítimas são os judeus “Hereges assassinos de e Cristo”

1483 - É dado ao Frei Tomaz de Torquemada o titulo e o poder de Inquisidor geral.

1484 - Tomaz de Torquemada aia oficialmente as leis que iriam reger as ações do Tribunal do Santo Ofício e que vigoraram por muitos anos.

1487-O Santo Ofício é instalado em Barcelona.

1492 - Época do descobrimento da América é assinado o Decreto de Expulsão dos judeus de Castela, Aragão e Carde a em 31 de março.

02 de agosto - Último dia dado para a permanência dos judeus em Aragão e Castela.

03 de agosto - coincidência evidente da data da partida de Cristóvão Colombo.

Note-se que muitos dos que apoiaram Colombo eram judeus bem como muitos dos seus Tripulantes, recentemente conversos.

A família Abravanel e outras famílias judias ricas contribuíram Financeiramente de maneira significativa para a viagem de Colombo.

Sabe-se que o apoio e o dinheiro dado a Colombo pelo rei da Espanha não era suficiente para cobrir o empreendimento.

12 de outubro - Colombo chega ao Novo Continente.

1497- Expulsão dos Judeus de Portugal, conversão forçada. Então diante dos acontecimentos surge uma grande interrogação ainda sem resposta: - A viagem de Colombo teria sido uma espécie “de fuga”, uma maneira de salvar vidas judaicas, ou uma aventura consciente visando o descobrimento de novas terras?

Seus cartógrafos e navegadores eram judeus ria maioria e conheciam bem as rotas marinhas e arte de traçar mapas.

Colombo que hoje alguns historiadores apontam como sendo de origem judaica, teria Vindo somente em busca de terras ou também por causa mais secreta, um judaísmo oculto nas escalas de sua viagem?

Depois veio a descoberta do Brasil e os judeus chegaram já com nomes portugueses.
Com referência aos nossos avôs judeus, embora não haja uma estatística exata afirmam os historiadores que de cada três portugueses que chegaram logo após o descobrimento um era judeu.

Podemos citar alguns dos primeiros, Gaspar da Gama que veio com Cabral, Caramun. João Ramalho, Francisco Chaves, Fernando de Noronha todos Cristãos Novos.

Também vieram nos primeiros anos os Rodrigues, Álvares, Mendes, Miranda, Dias, Gemes, Pereira, Nunes, Oliveira, Antunes, Pinto, Fonseca, Coelho e tantos de ascendência judaica, dando inicio à população nordestina do Brasil e que se assimilaram unindo-se aos Cristãos Velhos.

Existem ainda hoje na população do Norte brasileiro, costumes que um observador atento reconhece logo como hábitos antigos judaicos.

Nomes Dados aos Cristãos Novos

Nomes e sobrenomes constituem um estudo fascinante sobre origem dos Cristãos Novos. É difícil uma identificação positiva.

Citamos como exemplo “Lucena” usado como sobrenome.

No século XIV os judeus não usaram nomes hebraicos ou sobrenomes que os distinguissem das demais pessoas.

Existe uma lista de nomes e sobrenomes dos anos de 1293 até 1383, feita por Maria José Pimenta Ferro. Contém 63 nomes de judeus e suas profissões. Destes 52 tem pré-nomes do Velho Testamento. Esta lista foi publicada em 1984.

Pré-Nomes
Isac ..... 12
José..... 10
Abrão..... 09
Jacob........06
David........ 05
Judas....... 04
Moisés..... 02
Seleima....... 01
Salomão......01
Samuel...... 01
Levy........... 01


A partir de 1497 os judeus convertidos não tinham nomes do Velho Testamento como, Manuel, João, Simão, Pedro, Felipe, Isabel, Ana, José, Mateus, Maria e outros.

A população branca do Nordeste brasileiro apresenta o maior índice de nomes hebraicos, eram de Cristãos que tiveram pequeno número de ascendentes negros ou indígenas. O fato é explicado pela ascendência portuguesa na maior parte de judeus e Cristãos Novos.

Quando os sobrenomes são apontados na Catalunhia os Duram.

Em Portugal, Franco, Amigo, Querido, Dormido, Calado, Gatão, Rico, Vizinho, Negro, Preto, Gago, Dourado, Crespo, Crescente, Caldeirão e Amador. Todos estes nomes constam nos livros da Chancelaria por serviços prestados a Coroa.

Também, Toledano, Navarro, de Leão, Francês, Lucena, Medina, Galego, Sarfate, Barcelone, Saragosse, Servilhano, Catalão e Cuellar.

Existem também os declaradamente judaicos.

Cohen, Ben, Atar, Abe, Gaday e Guedelha que se transformou em Gadelha, Benara, Benaro, Daiam e Abravanel.

A Série de nomes é muita extensa não podemos citar todos.

Estas primeiras listas foram colhidas em escritos do historiador Alberto Dines.

Iria Gonçalves relaciona alguns do século XV.

Alencar, Alcaçovas, Arfandarim, Alvarinho, Maqueiro, Reino, Bolhos, Cachiche, Catalão, FAZÃO Franco, Gabai, [abranda, Leiria, Ludel, Montenor, Namías, Navarro, Palacano, Pardo, PINTO, Polegar, Pratas, Rafria, Romão, Romeiro! Ruivo, Somaria, Samarigo, Trafão, Vaca, (alencin, Xavi, Zaboca e Zemeiro.

Nos documentos da inquisição encontramos entre os condenados mais freqüentes o seguinte:

Rodrigues 453 pessoas
Nunes 229 pessoas
Mendes 224 pessoas
Lopes 282 pessoas
Miranda 190 pessoas
Gemes 184 pessoas
Henriques 174 pessoas
Costa 138 pessoas
Fernandes 132 pessoas
Pereira 124 pessoas
Dias 124 pessoas




Existem outros menos citados: Mesquita, Paz Fonseca, Maia, Uchóa, Pinto! Rego! Bravo, Barros e Sanchez.

Supõe-se que Abreu seja uma variante de hebreu, Brito de BriI Millá, Barros de Baruch e Santos de Shem Tov.

No nordeste viveram os Almeida. os Albuquerque e Dutra na Paraíba.

Os Oliveira! os Batistas, Santos, Azevedo e Cunha também chegaram ao Nordeste brasileiro nos primeiros tempos do descobrimento.

Em Pernambuco viveram os de Sá ” descendentes de Duarte de Sá”.

Os Souza viveram no Ceará em Canindé em Riacho de Sangue.

A família Pitangueira viveu em Pernambuco e Figueira Valadares na Bahia.

Não é nessa meta nomear todos os Cristãos Novos que povoaram o Brasil.

Citamos apenas alguns nomes e sobrenomes que ainda existem em quantidade nas famílias brasileiras.

A BÍBLIA NO BRASIL COLONIAL

No Brasil Colonial, a Bíblia e sua leitura, foram proibidas pela Igreja no começo da colonização. A Igreja Católica não desejava que ela chegasse até o leigo. Isso começou em :29 no Concilio de Valença onde a Bíblia foi proibida, “Proibimos também que os leigos possuírem livros do Velho e do Novo Testamento...”.

O Concílio de Trento confirmou o decreto e proibiu a leitura das Escrituras por qualquer rente da Igreja a não ser com permissão de seu superior.

Ainda em 1715 a Bíblia continuava com a proibição.

Estas proibições foram ignoradas pelos Marranos que continuaram a judaizar as escondidas em seus lares.

A censura e a leitura da Bíblia foram algumas das principais tarefas da Inquisição, no Brasil, Espanha, Portugal e nas Colônias, o que não impedia o tráfico continuo do Livro.

Aconteceu que os Holandeses durante o seu domínio em terras brasileiras, liberaram totalmente o uso da Bíblia no nordeste.

Nessa época os Cristãos Novos puderam praticar sua fé livremente.

A primeira sinagoga da América do Sul teve o primeiro Rabino no Brasil, Isaac Aboab da Fonseca.

Hoje o patrimônio do Governo de Pernambuco e Entidades Judaicas estão recuperando antiga sinagoga.

A Bíblia que os holandeses trouxeram foi a de Ferrara, a primeira traduzida do hebraico para o espanhol, impressa em Ferrara na Itália em março de 1553 e depois novamente impressa em Amsterdã.

A exportação do Livro para o Brasil era proibida e só em 1850 o pais teve livre acesso Livro Sagrado.


Os Livros de humanidades de Plutarco, Terencio, Horácio, Marcial e Ovídio também eram Livros Proibidos.

“E Eu os espalharei entre as nações...Eu vos reunirei dentre as nações e trarei para a vossa terra”. (Ezequel 36:19;24)

Fonte: Os Marranos ANOS E DIÁSPORA SEFARDITA
HELIO DANIEL CORDEIRO
http://www.beitfilah.org/estudos/raizes_hebraica.htm
.
FONTE:
http://gen-es.ning.com/profiles/blogs/raizes-hebraicas-nome-de

Nenhum comentário: